Tag Archives: actividadetrail

No topo do Mundo

Deve ter sido há uns dois anos que vi uma foto de um atleta a correr na crista do Pico Gilbo. Disse logo: tenho de fazer esse trail. Assim dito, assim feito e a semana passada lá estava eu a apreciar aquela vista fabulosa.

A prova apareceu-me no facebook há umas semanas e eu rumei de imediato ao site onde em meia dúzia de cliques e 324 assinaturas COVID depois, estava inscrito.

Como era feriado Quinta-feira cá no burgo , tirámos a sexta e rumámos a norte. Riaño fica a cerca de sete horas de Leiria, mesmo na sombra dos picos da europa. Aliás, nós no Sábado fomos dar uma voltatita até Cangas de Onis, uma das cidades de ataque aos Picos. As vistas são tão monumentais que até um simples passeio de carro é de deixar os olhos felizes e contentes. Que o digam as largas de dezenas de motards Portugueses com quem nos cruzámos.

Não sei como tem sido nos outros anos, mas este ano a prova completa foram 3 etapas, 40km, 30km e, a última de 24 km, 1.400 metros de desnível acumulado e subida ao monte Gilbo. As inscrições são para as 3 etapas, as duas últimas ou a última, opção que escolhi.

Total distance: 24341 m
Max elevation: 1652 m
Min elevation: 1011 m
Total climbing: 1547 m
Total descent: -1478 m
Average speed: 10.29 min/km
Total time: 05:46:59
Download file: trailriano.gpx

A prova vai de sexta a domingo, com uma etapa por dia, e conta com um campismo oficial onde os atletas menos forretas ficam alojados e se alimentam. Não fica nada barato, por isso optámos por ficar no campismo de Rianõ que tem uma vista invejável, para o Gilbo e todos os picos das redondezas, a barragem e ainda para o campismo da prova que fica mesmo por baixo 😊. Além disso come-se lá bem e barato. É só vantagens!

Aliás, tem uma desvantagem: a vista para o Gilbo. Como podem verificar pelas fotos, a crista é bastante estreita e aquilo é um bocado alto. Nunca tinha estado num local como aquele e não fazia a ideia de como me iria comportar. Iria a organização ter de me esmurrar para eu me acalmar? Devia levar fraldas?  
Aquele pico perseguiu-me constantemente e na noite antes da prova quase não dormi.

Chegado o grande dia, dirigimo-nos para a pequena aldeia de montanha de Salamon onde pouco depois começaram a chegar, além de outros atletas em viatura própria, os autocarros com os atletas. Dezenas e dezenas deles todos magrinhos! Pánico!!! Não há gorditos? Só magritos? Nããããõooooo!!!!!

Abordei o Depa (o skeaper estrela das provas em Espanha) e queixei-me de só haver atletas profissionais, mas ele descansou-me: “há muita malta que vem para se divertir, que fazem tudo a andar”. Está bem abelha! Não foram precisos mais que 4kms para ficar sozinho com toda a gente lá para a frente 😛

A prova é muito gira, e logo após saída da aldeia e passagem do primeiro monte ficámos com paisagens típicas de montanha. A prova segue com paisagens simpáticas até ao segundo pico que proporciona uma subida fácil e de boas vistas. Segue-se a, não muito interessante, descida até Horcadas onde aos 15km está o abastecimento e de onde se sobe para o Gilbo. Sobe.. e bem! A subida ao Gilbo é a subida mais dura que já fiz (o facto de ter 17 kms nas pernas não ajudou). A subida é gradual até ficarmos perto da crista e os últimos metros são quase a pique. Aqui, as pernas não mexiam e a desgraçada da moça que vinha a tirar as fitas devia estar com vontade de me atirar da montanha abaixo. Mas passada a passada lá fui subindo, devagar, devagar, devagar….até chegar à crista! A crista… à minha frente dezenas de metros com a largura de uma faca gigante mal afiada e de um lado e outro, 500 metros abaixo, as águas azuis da barragem. Um sonho!!!!

Fingi que estava a aproveitar a vista enquanto procurava pelas pernas e comecei a caminhar pelo gume da faca. Uma centena de metros à frente, tive direito a um batedor que foi sempre à minha frente a indicar o caminho. Uma vezes no gume da faca, outras mais de lado. E assim foi até ao pico onde parei para apreciar a vista e fazer um vídeo panorâmico.

Depois veio a descida.. a pique, dura e sem pernas. Mas, porra! era a descer! Foi lento mas fez-se sem grande dificuldade e cruzando-me com alguns turistas que iam ver as vistas ou iam a descer. Por onde subimos não havia ninguém, mas desde lado não faltavam passeantes.

Descida feita, um par de kilometros ao longo da barragem e depois a mais longa ponte do mundo que, segundo me disseram tem normalmente 1km mas naquele dia tinha 10, mais coisa menos coisa. Chegado a Riaño, é só subir a escadaria do inferno, uns inacabáveis 30 ou 40 metros, e seguir para a reta final e ser recebido como só se é em Espanha;  com o entusiamo de quem recebe o primeiro.

FOTOS AQUI

Serra del Aire e de los Candeeiros

Nota: para apreciar a leitura deste post tanto como apreciei escreve-lo a sua leitura deve ser acompanhada desta banda sonora:

Este fim-de-semana estive pela serra del Aire e de los Candeeiros.

Na sexta fui até Las Pedreiras onde houve um belo trail de 20km e com uns terríveis 1000m de desnível. Faltou atravessar um ribeiros para a coisa ser perfeita, mas o granizo que apanhámos deu para compensar um bocado 😛

O trail começava e acabava num simpático parque de campismo que tive o prazer de apreciar calmamente enquanto comia a minha bifana ao som da suave chuva que caia. Belo e calmo lugar, tenho de lá voltar.

Total distance: 19519 m
Max elevation: 527 m
Min elevation: 182 m
Total climbing: 817 m
Total descent: -813 m
Average speed: 9.15 min/km
Total time: 03:32:08
Download file: Trail da Serra de Aire.gpx

TODAS AS FOTOS AQUI

 

No sábado fiz pausa da serra para descansar as pernas mas nos domingos voltei.

Estacionei o carro perto da nascente do rio La Lena e arranquei em modo fast hiking (caminhada/corrida pela montanha para quem não tem paciência para cheirar as flores todas). Passei pelas três nascentes do rio e segui em direcção a La Fornea onde o rio, outro rio, não o La Lena,  corria com vontade. Subi à cova de la velha, onde após me colocar em roupa interior, mergulhei na simpática poça que se gera dentro da cova. Chegava ao pescoço e não estava muito fria 🙂

Desci em figura de tolinho só de cuecas e de t-shirt até à queda de água mais abaixo onde voltei a tentar tomar banho, mas aí a água era pouca e não deu para grande coisa. Mesmo assim curti o jacuzzi 🙂

Vesti-me e arranquei direito a La Alcaria e meti-me por um caminho que segue o rio Alcaide que corre num jeitoso canyon em direcção a El Porto Del Mós. Já há algum tempo que queria ver se dava para unir essas duas terras pelo rio.

Ainda segui um bocado, primeiro pelo alto e depois junto ao rio mas tive de desistir quando arames farpados e sinais de gado começaram a surgir. Subi até à estrada em direcção à tasca da Maria de Los Queijos onde um fui avistado por um moço conhecido e tive direito a almoçar com companhia dele e da esposa (a montanha é gira, mas com companhia é ainda melhor).

Total distance: 13708 m
Max elevation: 385 m
Min elevation: 146 m
Total climbing: 649 m
Total descent: -662 m
Average speed: 10.08 min/km
Total time: 05:11:13
Download file: Fast Hikking Serra de Aire.gpx

 

Almoço despachado foi correr estrada abaixo até ao carro e acabar o dia. Quer dizer acabar a corrida porque depois fui até Porto Del Mós, bela terrinha de montanha por onde passa o rio Del Lena e que tem um maravilhoso café no meio do jardim. Demoraram mais de uma hora para me atender apesar de terem passado por mim duas duzias de vezes, mas eu estava lá para apreciar um belo livro e não tinha pressa 🙂

mas mas, dizem vocês, Porto Del Mós não é uma terra de montanha, está para aí a 100 metros de altitude e além disso chama-se Porto de Mós!

Sim sim, pois pois, respondo eu. Não é, mas parece. Para mim todas as terras pequenas com um rio de água translucida a passar pelo meio e com montanhas à vista,  merecem o estatuto de terra de montanha, e eu é que decido. Especialmente este fim-de-semana em que decidi que havia de aproveitar a Serra de Aire e Porto de Mós como se não ficasse aqui mesmo ao lado e como se estivesse com feeling de férias.

Quando estamos de férias, e de especialmente quando estamos longe, estamos mais atentos ao que nos rodeia, apreciamos mais. Este fim-de-semana decidi olhar a nossa pequena Serra de Aire e Candeeiros e a bela vila de Porto de Mós com os olhos que costumo usar nos Pirenéus e foi muito bom. É a mesma coisa? eh pá, não! nem por sombras. Mas foi mesmo muito bom e diverti-me muito!

Um brinde à nossa Serra del Aire, ao Rio Del Lena e a Porto del Mós!

8 dias, 3 tareias e um Cláudio todo contente

 

Foi uma semana de caixão à cova, infelizmente não há muitas assim.

Sábado, 21 de maio:  Estrela Grande Trail

27162534566_74b83c6b11_k

Rumámos, eu e a João, à Serra da estrela onde no dia seguinte eu ia fazer os 23 km / 1200 m de desnivel positivo da Estrela Grande Trail, a prova com a chancela do Sr Pezinhos, aka Armando Teixeira.

Já não fazia um trail há cerca de 2 anos devido a paragem forçada por lesões e estava um bocado nervoso e mais nervoso fiquei quando ao chegarmos de carro, passámos o Vale do Rossim e vimos Manteigas bem lá ao fuuunnnnddoooo onde seria a partida. Esse mesmo desnível iria ser feita no dia seguinte, mas ao contrário.. e a pé.

No dia seguinte acordámos cedinho e ainda fomos ver a partida dos cromos dos 90km :p antes do pequeno-almoço.

Pequeno almoço tomado, siga montanha acima em direcção ao Rossim. Curiosamente a subida correu bem e cheguei ao Rossim em perfeito estado e muito antes do previsto. Tão antes, que a equipa fotográfica aka João ainda não tinha chegado e não chegou antes de eu sair de lá o que nem sequer estava previsto acontecer. A ideia era desistir ali 🙂

Mas as pernas queriam mais, por isso siga! Foram 5h30 de sobe e desce mas que culminaram numa bela bifana e um par de imperiais que degustei enquanto vi o Tiago Aires vencer a prova dos 90km em grande estilo e a chegar com velocidade e força de quem estava a a começar a prova.

vídeo oficial

13411121_789116121188922_1561608464_n

Total distance: 24977 m
Max elevation: 1694 m
Min elevation: 736 m
Total climbing: 1394 m
Total descent: -1416 m
Average speed: 12.38 min/km
Total time: 05:31:57
Download file: Estrela Grande Trail.gpx

TODAS AS FOTOS AQUI

Quinta, 26 de Maio: Canyoning na Ribeira das Quelhas

27223025691_2e68a8f051_k

Dia de duplo objectivo: Fazer canyoning e conhecer a malta do NEL -Pé na Cascata.

A descida escolhida foi a ribeira das Quelhas  em Castanheira de Pêra, e segundo consta, é a ?única/melhor? descida do distrito de Leiria. E há que reconhecer que é uma bela descida. Muitos rapeis, alguns tobogãs e ainda um ou dois saltos.

Quanto à malta do NEL – Pé na Cascata, ficaram aprovados 🙂
Malta bem disposta e descontraída .. e amiga do convívio e da bifana, como convém nestas coisa. Vocês são uns fixes, “pás”.

TODAS AS FOTOS AQUI

Sábado, 28 de Maio: Rogaine do Sado

27312734766_eb26fee009_k

Rumo a Setúbal para uma prova de rogaine, modalidade de orientação onde dispomos de várias horas, neste caso 3 mas há provas de 24 , para fazer o máximo de pontos possíveis.

Eu e o Jorge fizemos a prova em belo passo de “andação” sem stresses e sem nos armarmos em heróis. Nas 3 horas disponíveis fizemos 19 km e cerca de 300 metros de desnivel positivo.

Estiveram na prova cerca de 40 animadas equipas. Foi um dia bem passado, venham mais.

Total distance: 18843 m
Max elevation: 159 m
Min elevation: 2 m
Total climbing: 579 m
Total descent: -579 m
Average speed: 10.47 min/km
Total time: 03:36:30
Download file: Rogaining do Sado.gpx

TODAS AS FOTOS AQUI