Category Archives: Cultura

A música tradicional Portuguesa assalta a Marinha Grande

Este dia 13 de Maio, vai-se realizar na MG o “Congresso Identidades – A música tradicional hoje”.

Vamos ter entre nós alguns dos melhores músicos Portugueses da área. Malta dos Uxu Kalhus, dos Dazkarieh, dos Monte Lunai entre outros.

Sinceramente não percebo muito bem o que se vai passar 🙂 nem se é aberto ao público ou se é só para profissionais. No meio daquilo tudo percebo:

21.30 h – Espectáculo: P.I.T.O. – Projecto de Intervenção Tradicional – Orquestra
Aberto a todos os participantes. Tragam um instrumento!

Portanto, vamos ter concerto, muito provavelmente com baile, julgo que no antigo mercado.

Programa completo : AQUI

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

O que seria de nós sem eles?

O que seria de nós sem a parvoice do Conan O’Brien?

O que seria de nós sem a loucura do Lars Von Tiers?

O que seria de nós sem os textos de Ferreira Fernandes?

“De vez em quando, aparece uma notícia sobre sinais que enviamos para o espaço, em foguetões ou mensagens electromagnéticas. A ideia de que não estamos sozinhos no Universo levou à criação, faz 50 anos esta semana, da Search Extra-Terrestrial Intelligence, que procura os nossos primos estelares, e irmãos do ET. Pois nesta ocasião festiva (pelo meio século) surge uma contestação radical a essas mensagens. Não por negarem a existência dos extraterrestres, mas, muito pelo contrário, por temerem que eles existam, mesmo. Não são maluquinhos que pensam assim, mas sábios, como o físico Freeman Dyson. A tese é: numa perspectiva de Spielberg (com o queriducho ET a acender e apagar o indicador, “home… home…”), tudo bem. Mas se eles forem como o denunciado em Marte Ataca!, do realizador Tim Burton? Se eles, alertados pelos nossos sinais, se puserem a salivar? “Olha, que planeta bonito… Conquistemo-lo!” Ingénuo, embarquei na generosidade do contacto (à Spielberg), mas talvez fosse mais prudente ser cínico (à Burton). Entretanto, não sei bem se isto tem alguma coisa a ver, em França discute-se a proibição da burka. Quer dizer, que a burka é de extraterrestres, sei. O que não sei é o que é ingénuo e o que é realista. Mandar-lhe mensagens de boa vontade ou cortar de vez com eles?”

In DN

O que seria de nós ?

Sei lá!!! Nem me interessa; que raio de pergunta mais tótó, ‘da-se!

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Economia

Dan Ariely é investigador no MIT na área da Economia Comportamental e autor do livro Previsivelmente Irracional.

Vale a pena ouvir a entrevista dele na TSF

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

 

E já agora que estamos a falar de economia, ouça-se, também, a entrevista de Vitor Bento, economista e autor do livro Perceber a Crise Para Encontrar o Caminho.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

O Fade In sempre a abrir e nós a curtir!

O FadeIn está com a pica toda e em 4 semanas apresenta 4 espectáculos.

Este Domingo tivemos o excepcional Woven Hand aberto pelo Português Nuno Rancho.

Esta Sexta vamos ter os Leirienses AllStar Project a abrirem os Irlandeses God Is an Astronaut

E no dia 5 vamos ter o indiscritível Baby Dee.

Apareçam que vale a pena!

Videos: (Woven Hand, Baby Dee)

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Fade In

“É com prazer, com descarada pretensão, e com assumida imodéstia, que volto a assinar, ainda que avulso, a página de um jornal onde semanalmente escrevi durante 14 anos. Foi aqui que ao longo de quase década e meia rubriquei os primeiros artigos de opinião e as primeiras críticas de alguns dos nomes regionais que hoje singram nacional e internacionalmente. Aqui, escrevi sobre o potencial e o talento inato de David Fonseca mesmo antes deste formar
os Silence 4. Aqui me debrucei sobre os The Gift muito antes da crítica em geral, e aqui vaticinei, em primeira mão, sobre Mikroben Krieg, Phase, The Allstar Project, Born A Lion, Loto, Yesterday, Dapunksportif, ESC, Gomo, entre tantos, tantos outros…
Por isso, hoje, num acto egocêntrico e com laivos de desavergonhado narcisismo, apetece-me partilhar com
todos vós, não uma qualquer descoberta de um novo talento artístico do burgo, mas o imenso orgulho que sinto em
liderar um projecto único, que vem dando cartas desde 2001, e o qual, valter hugo mãe, escritor agraciado com o
prémio literário José Saramago, assim definiu: “Em Leiria, um grupo de malta sexy criou o Fade In, que é como quem
diz, uma contínua oferta de boa música, escolhida a dedo entre a vanguarda mais excitante do
planeta”. É sem exagero que vos digo que o Fade In é um projecto ímpar em Portugal.
Primeiro, porque embora tenha a mais que legítima aspiração, não tem qualquer tipo de apoio institucional como nos casos do Theatro Circo, CAE, Casa da Música ou ZDB, todos eles fortemente apoiados pelas respectivas câmaras municipais. É, aliás, sem nenhum pudor que afirmo peremptoriamente que a qualidade da programação musical anual do Fade In está à altura da de qualquer uma destas instituições. Segundo, porque é gerido por um pequeno grupo de voluntários não remunerados da qual sou apenas a face mais visível, que na sua militância fazem, simultaneamente, os papéis de mecenas, dinamizadores culturais, e de vendedores de sonhos. Terceiro, porque apesar de todos estes condicionalismos, apresenta no seu exuberante e transversal currículo de quase 100 artistas, alguns dos nomes mais reputados do universo e, para mim particularmente, algumas das grandes bandas da minha vida: Laibach, Michael Gira, Silver Mt Zion, Deine Lakaien, Combichrist, Xiu Xiu, Das Ich, In The Nursery, Sieben, Matt Elliott, Ataraxia, Von Magnet, Jarboe, Diary Of Dreams, Spiritual Front, Qntal, Final Fantasy, Die Form ou Smog. E dizer-vos que vi todos estes artistas, ao vivo, sem sair da minha cidade, seria coisa impensável há meia dúzia de anos, sobretudo se observarmos o facto de muitos deles terem sido estreias absolutas e datas únicas em Portugal!
Que mais será preciso fazer para que a nossa edilidade abrace sem timidez o projecto Fade In, erguendo-o com uma das suas bandeiras de cultura viva, aproveitando a sua dinâmica, personalidade e o seu reconhecimento transnacional, para afirmar Leiria como pólo único de cultura diferenciada na Península Ibérica? Haja coragem!”

Carlos Matos in Jornal de Leiria

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)