Category Archives: Cepticismo

e-mails enviados aos bombeiros voluntários da Marinha Grande e à PSP

A João é que atendeu o telefone, por isso a versão dela é mais correcta que  a minha.

Eu enviei ao bombeiros:

Assunto:Convocatória para “análise médica” nos bombeiros da Marinha Grande

Boa noite.

Acabaram de telefonar para minha casa a perguntar se estava interessado em ir amanhã aos Bombeiros da Marinha Grande para fazer uma avaliação quântica para rastreio de perigo de AVC.

Deixem que comece por dizer que fico preocupado por empresas usarem a excelente reputação dos bombeiros para venderem produtos.

Sejam os produtos bons, sejam os produtos maus, acho que os bombeiros não se deviam deixar usar como plataforma de vendas de terceiros.

Eu percebo que os bombeiros precisam de dinheiro e espero eu! as empresas pagam para apresentar os seus produtos, mas o preço é demasiado caro, é a vossa reputação que fica em causa.

Infelizmente, neste caso, tratam-se de produtos maus, muito maus. É muito problemático aceitar emprestar a casa à venda de produtos de saúde duvidosos, mas nem disso se trata porque não há duvida nenhuma: a avaliação quântica é uma grande aldrabice.

O esquema é sempre o mesmo: as pessoas, normalmente idosas, vão ser analisadas pelo aparelho, provavelmente vão ser detectados problemas e vai-lhes proposto a comprar de um produto qualquer inútil a preços exorbitantes. Vão ser pressionados a assinar no momento e quando, no dia seguinte, se arrependerem, vai ser tarde demais.

Após alguma insistência consegui o nome da, segundo a moça ao telefone ONG, e que é “Organização Saúde para Todos” e que teve a vergonha de usar a Liga Nacional contra o Cancro e a Abraço como comparação.

Com essa informação fiz algumas pesquisas e foi isto que descobri:

Por favor, não sejam cúmplices deste vergonhoso esquema.
obg,
Cláudio Tereso
e pouco depois a João enviou à PSP:
Assunto: fraude

Boa noite,

Sou uma cidadã da Marinha Grande e gostaria de alertar para uma fraude. Imagino que idosos e pessoas menos informadas possam estar expostas, bastando ter telefone fixo!

Telefonaram para minha casa dizendo que amanhã à tarde irá decorrer um evento na Marinha Grande, organizado pela Associação Saúde para Todos, para ajudar a prevenir a ocorrência de AVCs.

Pedi à pessoa para me explicar como funcionaria e esta disse que seria uma avaliação quântica, por eléctrodos, que identificaria se algum dos 21 órgãos que temos no corpo tinha algum problema.

Perguntando onde seria o evento, teria lugar perto dos Bombeiros da Marinha Grande; perguntando quando, das 3 às 7 da tarde.

A pessoa teve o descaramento de comparar a suposta ONG com a Liga contra o Cancro e a Abraço.

Após pesquisa na internet, aparece a informação abaixo, que corrobora as suspeitas de fraude:

http://www.publico.pt/portugal/jornal/normalife-e-suspeita-de-burla-a-idosos-atraidos-para-rastreio-nacional-gratuito-23930104

Espero que algo possa ser feito!

Obrigada,
<nome completo e N.º cartão cidadão>

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Fraudes, Aldrabices e Outras Parvoíces

Já está disponível na Bubok em pdf o livro “Fraudes, Aldrabices e Outras Parvoíces” que apesar de estar longe de estar acabado já tem dois capitulos completos e já quase parece um livro 🙂

Sinopse:

Tem nas mãos um livro malvado. Um livro que não lhe promete a vida eterna e a felicidade suprema. Um livro que lhe vai tentar tirar as suas doces ilusões sobre energias que curam e deuses que protegem.

Tem nas mãos um livro amigo. Um livro que lhe vai mostrar como evitar ser enganado por pessoas sem escrúpulos, que não existem bruxas más, nem previsões sobre o fim do mundo.

Tem nas mãos um livro que, se tivesse pés, tinha-os bem assentes na terra e lhe vai mostrar que errar não só é humano como é mais comum do que seria desejável.

Este livro vai abrir-lhe os olhos…ou então não.

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

e-mail enviado ao DN relativo a notícia sobre acupunctura

Assunto :  Noticia sobre acupunctura na capa do suplemento DN Classificados do dia 1 de Fevereiro

Pode ler-se no estudo citado no artigo e disponível na Internet : “encontrámos significantes, mas não clinicamente relevantes, benefícios para quase todos os resultados secundários nos três grupos de acupunctura em comparação com o grupo controle” e acaba com “Interpretação:  a acupunctura testada parece ter um efeito clinicamente menor/de pouca relevância sobre a profilaxia da enxaqueca em comparação com acupunctura falsa.” (tradução minha, favor ver texto original).

Infelizmente, e como de costume, os dados apresentados na noticia são tendenciosos e omitem os resultados que não confirmam o esperado por quem faz a noticia.Além disso, não é de menor importância referir que o estudo não é duplo-cego, ou seja, quem aplicava o tratamento sabia que estava aplicar um método de controle, e isso faz toda a diferença, especialmente quando estamos a falar de tratamentos cujo resultado é obtido graças aos “mimos” que são passados ao paciente e não graças ao tratamento em si.

Também é de  salientar que no site oficial do governo Norte-Americano em que este estudo foi registado não foram colocados dados sobres os resultados o que, na minha opinião, aconteceu porque os resultados não foram o que esperavam.

E depois de uma noticia tendenciosa sobre um estudo médico ainda se dão ao desplante de fazer publicidade. Fico com a ideia que aquilo não é uma noticia e sim um infomercial feito conscientemente e quem sabe até pago pelo Centro de Terapias Chinesas.
Podem consultar a noticia do estudo em : http://www.cmaj.ca/content/early/2012/01/09/cmaj.110551
Podem consultar o estudo aqui : http://clinicaltrials.gov/show/NCT00599586
Nota que devia ser desnecessária para jornalistas que usam estudos interpretados pelos interessados: nunca, mas nunca confiar nas sínteses/traduções feitas por eles.

 

ACTUALIZAÇÃO : Resposta do Provedor do DN (em tempo record!!!!, demorou menos de 2 hora)

Caro leitor Cláudio Tereso:

Procurei inteirar-me do assunto que me apresentou e fui informado de que o suplemento DN Classificados é inteiramente comercial, pelo que a questão foi remetida à Direção Comercial. Agradeço-lhe, no entanto, o alerta, que foi enviado ao diretor comercial, não vá dar-se o caso de o DN estar a incorrer, involuntariamente, em publicidade enganosa.

Com os meus melhores cumprimentos

Oscar Mascarenhas

Provedor do Leitor do DN

(provedordoleitor@dn.pt)

 

ACTUALIZAÇÃO 02/03/2011 :  Texto do provedor no DN de 18 de Feveiro

O segundo episódio surgiu porque um leitor muito atento, Cláudio Tereso, procurou confirmar informações no que pensou ser uma notícia. Tratava-se de um texto sobre os méritos da acupunctura no alívio de enxaquecas, publicado na primeira página do caderno “Classificados”. Como o texto referia conclusões de uma revista científica, o leitor deu-se ao trabalho de verificar e apurou que a publicação concluía exatamente o oposto do que era referido no texto do DN: a acupunctura tradicional chinesa não tem efeitos muito diferentes da sham acupuncture (acupunctura fingida) no alívio de enxaquecas.

Procurando saber como é que tal informação fora publicada no DN, fui informado pela Direção que a inserção do texto foi da responsabilidade da Direção Comercial. Esta confirmou que o artigo era “da responsabilidade do Centro de Terapias Chinesas, enviado pela agência de comunicação Inforpress”.

O leitor, aliás, já suspeitava que fosse um artigo publicitário, mas protestava pelo facto de não aparecer qualquer referência expressa a publicidade. “Defendeu-se” a Direção Comercial: “Efetivamente, o 2.º caderno do DN é na sua totalidade um caderno comercial, logo toda a informação aí contida é de âmbito comercial pelo que, automaticamente, se encontra ao abrigo da publicidade.”

A verdade é que a explicação não convenceu o leitor – nem a mim. Na mesma página em que aparece esse artigo há três pequenas referências “Publicidade” a outros tantos anúncios. Se o artigo principal não a tem é porque não é “Publicidade” – ou alguém quer deixar o leitor no equívoco. E tem sido essa a prática em todas as primeiras páginas do caderno “Classificados”. Isso é inaceitável. A Direção do jornal, como primeira responsável por tudo quanto nele se publica, seja informação, seja publicidade, informou-me que vai por termo a esta “ratoeira” ao leitor.

in DN

ACTUALIZAÇÃO 02/03/2011

Estive agora a consultar o DN e o artigo de capa do caderno “Classificados” do DN já vem enquadrado com a indicação: “CONTEÚDO COMERCIAL”.

palminhas para mim … :- )

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 5.0/5 (1 vote cast)

Carta aberta à DGC : Provável publicidade enganosa da empresa “Club Natura” aos produtos de magnetoterapia

Resumo : A empresa Club Natura vende produtos de magnetoterapia, um suposto tratamento médico que alivia dores e que segundo o próprio site mostra-se de modo geral “eficaz contra todo o tipo de patologias”.
Parece-me que a Club Natura vai longe demais nas suas afirmações e o site e a publicidade (que aparece diariamente no Diário de Notícias) apresentam fortes indícios de publicidade enganosa. Este texto enviado para Direcção Geral do Consumidor e vários meios de comunicação social tem como objectivo chamar a atenção para o exagero que se comete a promover “medicamentos” de efeito duvidoso.
—————————————————

Nota Prévia : Não sou médico e por isso não tenho autoridade para fazer prova das minhas dúvidas.

Não afirmo nada, deixo a tarefa de comprovar, ou não, as dúvidas que tenho sobre a empresa e respectiva publicidade para a DGS. Não posso no entanto ficar calado enquanto vejo essa empresa publicitar no Diário de Noticias diariamente como “clinicamente comprovado” algo que não me parece ter fundamento.

—————————————————
carta aberta enviada às seguintes entidades:
Para: Direcção Geral do Consumidor
Com Conhecimento:Diário de Noticias, Publico, Correio da Manhã, TVI, SIC, RTP

NOTA: Apresento esta “queixa” para que não aconteça o mesmo que aconteceu quando rebentou o “escândalo” com as pulseiras power balance em que a DGS se refugiou na resposta “não recebemos queixas” para nunca ter actuado sobre a empresa (queixa que me apressei a apresentar e da qual apesar de ter recebido uma resposta nunca recebi uma resposta definitiva).
Para que não possam usar a mesma resposta caso aconteça algo semelhante com a “Club Natura” aqui ficam as minhas preocupações sobre a empresa.

 

PUBLICIDADE NO JORNAL
1. Na publicidade que a empresa coloca no DN, afirma:
Clinicamente comprovado. Numerosos estudos clínicos confirmam que se trata de uma técnica …. que proporciona excelentes resultados para aliviar qualquer tipo de dor
 Actualização  26/05/2015: o site dreamsalud.com onde se podia ler o estudo está offline e ainda não o encontrei em mais lado nenhum
Ao consultarmos o site da empresa encontramos referência a um estudo (http://www.clubnaturasalud.com.pt/magnetoterapia/queEs.php?sec=2&idioma=2) que pode ser lido aqui:
Eu não sou médico mas parece-me que um estudo que não menciona grupo de controlo não tem qualquer espécie de validade, algo que não acontece, por exemplo neste estudo :
The Effectiveness of Magnet Therapy for Treatment of Wrist Pain Attributed to Carpal Tunnel Syndrome  onde é indicado claramente um grupo de controlo tratado com placebos  e cuja conclusão é:
The delivery of a unipolar static magnetic field through a magnetized device directly applied to the point of greatest wrist pain resulted in no significant difference in relief of pain when  compared with an identical placebo device.
Segundo sei, a maioria dos estudos médicos chega à mesma conclusão: que a magnetoterapia tem tanto efeito como tratamentos placebo. Julgo não estar enganando ao considerar que a afirmação “clinicamente comprovado” é falsa e como tal publicidade enganosa bastante grave visto se tratar de um produto da área da saúde.
2.”aval” de Dr Diogo Crespo.
Também me levantam algumas dúvidas o “aval” do Dr. Diogo Crespo que segundo o site da Ordem dos Médicos só pode ser o Dr. Diogo Manuel de Sousa Macedo Crespo (único Diogo Crespo inscrito na ordem que se pode consultar aqui : https://www.ordemdosmedicos.pt/?lop=listamedicos) aposentado em 2009 (conforme Diário da República http://dre.pt/pdf2sdip/2010/03/047000000/1059610599.pdf).
Qual a experiência do Dr Diogo com a magnetoterapia? Usou-a? Com que bases afirma ele na publicidade que a magnetoterapia “favorece a circulação sanguínea e acelera a regeneração celular“? Nem o estudo apresentado pela empresa Club Natura fala nesses benefícios.
E já agora, espero que a fotografia que aparece no anúncio mesmo ao lado do seu testemunho seja mesmo do Dr Diogo Crespo, senão parece-me que é mais um abuso por parte da Club Natura.

 

INFORMAÇÕES NO SITE
3. resultados positivos diferentes do apresentados no estudo
Na página http://www.clubnaturasalud.com.pt/magnetoterapia/queEs.php?sec=2&apto=2&idioma=2 a Club Natura apresenta os resultados positivos da magnetoterapia. Os resultados são tirados do estudo citado, mas as conclusão do estudo não são bem as mesmas.
O estudo cataloga os resultados conforme os resultados obtidos em 4 categorias:nulo, mais que suficiente, bom e excelente.
Os autores do estudo consideram positivos os resultados bom e excelente, mas a Club Natura decidiu que também havia de incluir os “mais que suficiente” nos positivos o que se traduz numa média de 24% mais resultados positivos que os apresentados no estudo.
4. Testemunhos Apresentados
 Actualização  26/05/2015: o site Espanhol da Club Natura já não tem magnetoterapia 
Como é possível haver testemunhos iguais  apresentados por pessoas diferentes?
Se comparamos os testemunhos do site Espanhol do Club Natura : http://www.clubnaturasalud.com/magnetoterapia/recomiendan.php?sec=4&idioma=1 com os do site Português : http://www.clubnaturasalud.com.pt/magnetoterapia/recomiendan.php?sec=4&idioma=2 verificamos que são os mesmos ditos por pessoas diferentes. Nos casos em que o nome deu para traduzir de Espanhol para Português os nomes até são parecidos nos outros foi colocado um nome completamente diferente.
Pode-se dizer que os nomes das pessoas não interessam, mas isso não é verdade. Se não interessassem não estavam no site. As pessoas gostam de se identificar com outras com o mesmo problema, por isso a importância de ter testemunhos na primeira pessoa. Se não tiveram pudor de alterar completamente os nomes, apresentando pessoas que não existem, que garantias temos de que os testemunhos são mesmo reais?
5. Afirmações
De um modo geral o site está cheio de frases que são no mínimo de veracidade duvidosa e no máximo completamente falsas e que carecem de provas cientificas/médicas.
Exemplos:
Todas as doenças partem de uma única causa, «o desequilíbrio celular”. Diz-se que uma célula se desequilibra celularmente, quando um electrão dos átomos que a constituem fica solto, ou seja, não se liga a outro (é aquilo que em ciência se conhece como um radical livre electromagnético).
Por esse motivo, a magnetoterapia ajuda a repolarizar os átomos das células, oferecendo àqueles que a utilizam uma melhora acelerada na maior parte das suas patologias.
Utilizando ímanes sob a forma de colares, pulseiras, caneleiras e anéis, é possível aumentar a energia pessoal, prevenir os desequilíbrios no estado de saúde, estimular a circulação do sangue e formar células novas que rejuvenescem os tecidos do corpo.
Benefícios que a magnetoterapia produz:
 Aumenta o oxigénio nas células.
 Elimina fluidos e gases.
 Reduz a retenção de líquidos.

 

CONCLUSÃO : Parece-me haver fortes indícios de que a empresa Club Natura faz afirmações médicas não fundamentadas o que me parece extremamente grave e merecedor de uma investigação apurada.
Sinceramente, Não percebo como é que para se colocar um medicamento baseado em “medicina tradicional” sejam precisos um batalhão de testes e estudos a confirmar que o medicamento realmente faz o que diz enquanto as “medicinas alternativas” podem vender o que quiserem fazendo as alegações mais disparatas sem que sejam alvo qualquer espécie de controlo.
Agradecia que a DGC estivesse mais atenta às “medicinas alternativas” e às suas reivindicações.
sem mais,
Cláudio Tereso

Actualização  31/10/2011

Já há alguns dias que o “aval” do Dr. Diogo Crespo desapareceu da publicidade do DN.
Gostaria de pensar que a minha queixa teve alguma coisa a ver com esse facto, já seria uma pequena vitória 😉

Actualização 15/11/2011: Resposta da DGC

Exmº SenhorCláudio Tereso
Pedindo desculpa pelo atraso e em resposta à exposição que nos enviou, informamos que sem prejuízo das competências da DGC em matéria de publicidade, a sua situação foi remetida, nesta data, para a ERS – Entidade Reguladora da Saúde.

Constituem atribuições da ERS a regulação e a supervisão da actividade das entidades prestadoras de cuidados de saúde. Cabe à ERS velar pelo cumprimento das obrigações legais e contratuais dos regulados, no que respeita ao acesso dos utentes aos cuidados de saúde, à observância dos níveis de qualidade e à segurança e, genericamente, aos direitos dos utentes.

À Direcção Geral do Consumidor cabe encaminhar as reclamações e queixas dos consumidores para as entidades reguladoras e garantir o seu acesso aos mecanismos extrajudiciais de resolução de conflitos de consumo (Centros de Arbitragem e Centros de Informação Autárquica ao Consumidor), entre outras atribuições definidas na Portaria n.º 536/2007, de 30/04.

Para o acompanhamento do assunto sugerimos que contacte a ERS, cujo horário de atendimento das 9:00 às 12:30 e 14:00 às 17:30h  nos seguintes endereços:

Morada: Rua S. João de Brito, n.º 621, L 32, 4100-455 Porto
Telefone: 22 209 23 50
Fax: 22 209 23 51
E-mail: geral@ers.pt

Com os melhores cumprimentos,
CF
Divisão de Apoio e Informação ao Consumidor

Actualização 16/11/2011:Enviei à ERS o seguinte email:

Recebi da DGC o e-mail abaixo transcrito que indica ter sido reencaminhada para a ERS a minha “denúncia”. Agradecia que assim que houver – se houver – alguma conclusão  e se tal for possível/normal que me informassem.

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 3.3/5 (8 votes cast)

Fraudes, Aldrabices e outras Parvoíces

É com muito prazer que apresento o número 1 da série “Penso, Logo Questiono”!

O formato foi pensado para ser imprimido e distribuido em papel para poder alcançar publicos que não usem Internet.

Espero que gostem, e partilhem, publiquem, divulguem do modo que quiserem nem que seja em aviõezinhos de papel 😀

Penso, Logo Questiono – 01

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 5.0/5 (1 vote cast)

Pulseiras da Treta + Cláudio = Queixa na DGC – Acto I

A pedido de “muitas” famílias aqui fica a minha troca de correspondência até ao momento:

De Cláudio para DGC (dgc@dg.consumidor.pt) :

Assunto:Queixa sobre produtos fraudulentos

Boa tarde,

Ao ler o artigo no site do Jornal Público sobre a fraude com as pulseiras Powe Balance verifiquei que, segundo a Direcção Geral do Consumidor,  não foram  apresentadas queixas de consumidores portugueses.
É pena que a a Direcção Geral do Consumidor não seja pro-activa na defesa do consumidor em relação a produtos que são claramente fraudes, mesmo sem denuncia de clientes.
Como não sou cliente do produto, posso reclamar/informar a Direcção Geral do Consumidor sobre a fraude que está a ser cometida por essa empresa ou só clientes é que podem fazer queixa? Se eu como cidadão não o poder fazer, é minha intenção criar um abaixo-assinado online dirigido à Direcção Geral do Consumidor a “pedir” a proibição da venda dessa fraude.

Obrigado pela atenção dispensada,Cláudio Tereso

Resposta da DGC:

Assunto:Denúncia contra pulseiras  Power Balance

Exmo Senhor,
Cláudio Tereso

Acusamos a recepção da exposição de V. Exa. que nos mereceu a melhor atenção, pedindo desculpa pelo atraso.

Face ao exposto, cumpre-nos informar que, cabe a esta Direcção-Geral, entre outras atribuições, garantir o acesso dos consumidores aos mecanismos extrajudiciais de resolução de conflitos de consumo, entre os quais se encontram os Centros de Arbitragem e os Centros de Informação Autárquica ao Consumidor, competindo-lhe, nomeadamente, encaminhar as reclamações e queixas dos consumidores para as entidades reguladoras (Portaria n.º 536/2007, de 30/04).

No caso presente é a ASAE a autoridade administrativa nacional especializada no âmbito da segurança alimentar e da fiscalização económica.
Deste modo, é responsável pela avaliação e comunicação dos riscos na cadeia alimentar, bem como pela disciplina do exercício das actividade económicas nos sectores alimentar e não alimentar, mediante a fiscalização e prevenção do cumprimento da legislação reguladora das mesmas.
Pelo que sem prejuízo das competências da DGC em matéria de publicidade, somos a informar que a exposição de V.Exa. foi enviada para a referida entidade e para o acompanhamento do processo, deverá V. Exa. contactar:
ASAE – Autoridade de Segurança Alimentar e Económica
Av. Conde de Valbom, 98
1069-185 Lisboa
Tel.  217 983 600
Fax:  217 983 654
Email:  correio.asae@asae.pt

ao que, respondi  o seguinte:

Bom dia,

Em resposta ao vosso e-mail que muito agradeço, gostaria de salientar que a minha reclamação tem especificamente a ver com falsa publicidade que segundo posso depreender é vossa responsabilidade.
O produto em si, não apresenta nenhum risco, trata-se de um brinquedo em borracha completamente inofensivo. A fraude está na publicidade feita que anuncia o produto como detentor de características terapêuticas fantásticas.
Chamo a atenção para o facto de:
– Como sabem e foi isso que originou o meu primeiro e-mail, a powerbalance foi multada por publicidade enganosa na Austrália e obrigada a desmentir as suas afirmações.
– Um estudo cientifico  numa universidade Espanhola provou que a pulseira não tem qualquer efeito.
Imagino que não tenham tempo para andar a fazer todas as verificações possíveis a todos os produtos. Por isso,  desde já me disponho a tentar obter os documentos oficiais em relação aos casos acima mencionados.

obg,
Cláudio
reencaminhei para a a ASAE:
Boa tarde,

recebi da DGC o e-mail abaixo transcrito que indica ter sido reencaminhada para a ASAE a minha denúncia.
Agradecia que assim que houver – se houver – alguma conclusão sobre a minha denuncia e se tal for possível/normal que me informassem.

Obrigado pela atenção,
Cláudio Tereso”
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 5.0/5 (1 vote cast)

HOMEOPATIA – O que é e como NÃO funciona

Segundo o sítio da Sociedade Homeopática de Portugal : “A Homeopatia é uma abordagem médica criada em 1796 pelo médico alemão Samuel Christian Frederich Hahnemann1 e define-se como a terapêutica que consiste em dar ao doente em pequenas doses, uma substância que, administrada a uma pessoa saudável, reproduza os sintomas observados”.

O segredo está nas “pequenas doses”. Em homeopatia trabalha-se com doses tão pequenas que é difícil imagina-las, por isso fiquemos com estes números para melhor percebermos do que se fala: Existem aproximadamente 1,260,000,000,000,000,000,000 (1,26 x 10^21) litros de água em todo o planeta Terra. Como cada litro tem 20.000 gotas, ficamos com o belo número de 2,46 x 10^25 gotas de água. Não esqueçam este valor, vão precisar dele mais à frente!

Os medicamentos homeopáticos são feitos através da diluição sucessiva de uma substancia em água (também pode ser álcool, mas é menos comum). Começamos com uma gota de, por exemplo, enxofre e misturamos em 99 gotas de água, para obter o que os homeopatas chamam de 1C. Agitamos o preparado, acto a que os homeopatas chamam sucussão e repetimos o processo. Ou seja, desse preparado 1C, tiramos uma gota que juntamos a 99 gotas de água. Ficamos com 2C, uma concentração de 1 gota de enxofre para 10.000 (104) gotas de água. Repetimos este processo até chegarmos a, por exemplo, 30C que é uma medida normal em medicamentos homeopáticos.

Nesta medida a gota de enxofre foi diluída em 10^60 gotas de águas (estamos a falar de 1 gota em 1.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000. 000.000.000.000.000.000.000.000.000.000 gotas), o equivalente a deixar cair uma gota em duas vezes a quantidade de água existente no planeta (podem consultar o primeiro parágrafo para confirmar).

Alguns medicamentos, como é o caso do Oscillococcinum2, usado na “prevenção e tratamento de estados gripais” vendido nas farmácias e preparado a partir de fígado e coração de pato (pomposamente chamado Anas barbariae, hepatis et cordis extractum, e que podemos traduzir do Latim mais ou menos como: “extracto de coração e fígado de pato selvagem” e que não consta em lado nenhum que tenha algum efeito a combater a gripe) vêm em preparados de 200C o que equivale a uma “parte de pato” em 10^400 partes de água! Como os próprios homeopatas admitem, é impossível encontrar uma única molécula da substancia inicial, o resultado é basicamente…. ÁGUA.

Para ter a certeza que é efectivamente este preparado que é vendido nas farmácias, fui consultar o sítio do Infarmed onde consta efectivamente que cada grama de Oscillococcinum é composto por 0,01 ml de Anas barbariae, hepatis et cordis extractum 200K, sendo o resto sacarose e lactose. Repararam no 200K? É o tal preparado de 200C, ou seja água. Sabendo que uma gota de água tem 0,05 ml, e que cada grama de medicamento tem 0,01 ml do dito composto/extracto/água podemos concluir que o Oscillococcinum não passa de açúcar (que é o que a sacarose e a lactose são) misturado com água à medida de 1 gota de água por cada 5 gramas de açúcar.

Deixa-me perplexo saber que existem pessoas que acreditam que a sucussão, um simples abanar de um líquido, pode provocar um efeito mágico não detectável e que a ser provado alteraria radicalmente o que sabemos actualmente sobre Química . Mas para quem acha que efectivamente tem efeito, tenho uma boa noticia. Graças à constante circulação da água pelo planeta, se beber um copo de água da torneira estará a ingerir várias doses de todos os medicamentos homeopáticos já inventados! Está curado e protegido de tudo e não precisa de gastar mais dinheiro em medicamentos, mas curiosamente ainda adoece, estranho, não é? Claro que as más noticias, é que estará a ingerir a “memória” de tudo com que essa água já esteve em contacto, sim é isso mesmo, montes e montes de cócó (isto partindo do principio que os abanões que o autoclismo faz à agua equivalem à sucussão. Porque, e de acordo com a Sociedade Homeopática, sem a sucussão “o efeito é nulo).

“Sim, sim. Efectivamente não faz sentido, mas a verdade é que funciona”, dizem os mais crentes. Para esses tenho duas palavras: “efeito placebo”3. Mas não precisamos de ficar só pelo efeito placebo para explicar as coisas que não deviam funcionar e “funcionam”, vou-vos contar a minha experiência: O ano passado tive uma gripe com febres elevadíssimas o que me leva a suspeitar que teria sido gripe A. Os procedimentos recomendados eram qualquer coisa do género “fique em casa e vigie os sintomas, e dirija-se ao médico se houver agravamento”. Como não houve agravamento fiquei em casa, não tomei absolutamente medicamento nenhum e fiz uma vida caseira normal (comi, dormi e vi muita mas mesmo muita televisão). Ao fim de alguns dias os sintomas tinham desaparecido. Qual é a conclusão que devo tirar? Que ver televisão cura a gripe? Claro que não, o que acontece é que as gripes como muitas doenças passam sozinhas. Infelizmente, e para mal das suas carteiras, as pessoas gostam de atribuir a cura ao que tomaram/fizeram/rezaram.

Sendo assim, a pergunta que se impõe, é: se não faz nada porque é que não é proibido? Suponho que a resposta seja: se não faz mal, deixa-se andar.
Segundo o Decreto-Lei n.º 176/2006, de 30 de Agosto, para proceder ao registo simplificado de produtos homeopáticos, o produto deve “ser administrado por via oral ou externa”, “apresentar um grau de diluição que garanta a inocuidade do medicamento” e não apresentar “quaisquer indicações terapêuticas especiais”. Em lado nenhum está escrito que o medicamento deve fazer prova de produzir o efeito publicitado.Querem ganhar um trocos? Misturem água com açúcar e vendam-na como medicamento para a doença da moda (o que nesta altura seriam medicamentos para emagrecer ou anti-depressivos) porque pelos vistos não é preciso provar que funciona.

Tomar medicamentos que não fazem nada para curar gripes não é grave, só chateia o bolso, mas o mesmo não se pode dizer de doenças que têm mesmo de ser tratadas. Tentar curar doenças graves com água e açúcar pode matar e efectivamente já tem matado4. Alguns homeopatas vão ao cumulo de dizer que os seus medicamentos previnem a malária, curam o diabetes e até o cancro! Alegações graves e que por mim deviam ser severamente punidas! Ao deixarmos entrar os medicamentos produtos homeopáticos para a gripe estamos a abrir a porta a estes medicamentos produtos. A lei para a aprovação de medicamentos homeopáticos tem de ser igual à lei para aprovação de medicamentos “convencionais”: sem provas cientificas5, o medicamento não é aprovado!


ACTUALIZAÇÃO 11/06/2015

A COMCEPT  publicou um excelente folheto que explica muito bem o que há para saber sobre a homeopatia.

ACTUALIZAÇÃO 04/07/2013

Podem ler mais sobre a história da homeopatia na COMCEPT

 

ACTUALIZAÇÃO 28/04/2011

Este artigo tem tido sido relativamente bem visitado, infelizmente ninguém poucos pontuam ou deixam comentário.
Se alguém se desse ao trabalho de o fazer agradecia.
Tenho realmente interesse em perceber que tipo de artigo vêm à procura,  o que é que achavam da homeopatia, se mudaram de ideias, se acham que sou parvo …


1 Christian Friedrich Samuel Hahnemann (10 de Abrilde 1755 –2 de Julho de 1843) foi o fundador da homeopatiaem 1779. Propôs a homeopatia numa época em que a medicina ocidental consistia em efectuar sangrias, aplicar sanguessugas e pouco mais. Naquela época era bem mais seguro ser tratado com medicamentos homeopáticos (que não faziam nada) do que pela medicina convencional da altura cuja possibilidade de fazer pior ou de matar era bastante real.

2 Oscillococcinum: “medicamento” vendido a cerca de 12€ a caixa e fabricado pela multinacional Boiron, empresa que só fabrica medicamentos homeopáticos e que em 2009 teve receitas de mais de 500 milhões de euros (informação útil para quem acha que a homeopatia é atacada por colocar em causa os interesses das farmacêuticas)..
Interessante é também a descrição do “medicamento”  : “Medicamento homeopático tradicionalmente utilizado no alívio de estados gripais  e dos sintomas decorrentes tais como febre, dores de cabeça, arrepios, dores musculares e afins”. Só diz que é “tradicionalmente usado para…”, não diz que tem efeito. Se alguma vez alguém os quiser processar não pode. Eles nunca afirmam que o produto funciona, só afirmam que as pessoas o usam para esse fim.

3 Placebo : (do latim placere, significando “agradarei”) é como se denomina um fármaco ou procedimento inerte, e que apresenta efeitos terapêuticos devido aos efeitos fisiológicos da crença do paciente de que está a ser tratado. Fonte:Wikipedia

4 Austrália, 2009. Gloria Thomas, de nove meses morreu, após atroz sofrimento, de complicações provocadas por eczema que os medicamentos homeopáticos dados pelos pais não conseguiram curar. Os pais  foram considerados culpados por homicídio e incorrem numa pena que pode chegar aos 25 anos de cadeia.

5 Sim, eu sei que as provas cientificas são falsificáveis e que os laboratórios farmacêuticos estão dispostos a quase tudo para ver os seus medicamentos aprovados. Mas um teste cientifico é algo que pode ser analisado, criticado, desmentido e repetido. Muito, mas muito melhor do que os homeopatas nos apresentam.[actualização 15/10/2012]Sobre a maneira como os laboratórios farmacêuticos nos enganam vale a pena ler o novinho em folha, Big Pharma do Ben Goldacre (o mesmo autor de Ciência da Treta)


VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 3.2/5 (17 votes cast)